Homília da missa crismal

18 de Abril de 2014 § Deixe um comentário

Terça feira Santa – Missa crismal na catedral

 

Caros irmãos e irmãs, meus sacerdotes

Com alegria celebro convosco esta Eucaristia. Principalmente convosco, queridos sacerdotes que comigo lembrais o dia da vossa ordenação.

As leituras e o salmo falam-nos dos “que são ungidos”: O servo de Javé do profeta Isaías, o rei David, JESUS nosso Senhor.

Os três têm em comum que a unção que recebem é destinada a ungir o povo fiel de Deus, do qual são servidores; a sua unção é para os pobres, para os presos, para os oprimidos, para os sem esperança e os desorientados sem meta. Nós bispos, sacerdotes, somos oferecidos para servir, para dar a nossa vida em favor deles.

A imagem do óleo que desce pela barba de Arão e desce pelas suas vestes sagradas, é a imagem da unção sacerdotal que mediante Cristo, o verdadeiro ungido, chega até aos confins do universo “ É como óleo precioso, derramado sobre a cabeça, que desce sobre a barba, a barba de Arão, que desce até ao orlo das suas vestes”.

 As vestes sagradas do sacerdote são ornamentadas e envolvem totalmente a figura do sacerdote: são sinal de Cristo, sumo sacerdote, que carregou sobre as suas costas todos os povos da terra: povos a Ele confiados e um por um escritos no seu coração. Ele veio como bom pastor e carregou sobre as suas costas todos nós: Ele veio para nos carregar e salvar. Quando vestimos a casula é bom sentir sobre as costas e dentro do coração o peso e o rosto do nosso povo, dos nossos santos e dos nossos mártires, os que sofrem e os que vivem longe da comunidade onde foram acolhidos, batizados e confirmados na fé.

O óleo derramado sobre nós no dia da consagração sacerdotal, derrama-se e chega a perfumar a pessoa do sacerdote mas também deve chegar a perfumar os que estão longe (os que vivem nas periferias, diria papa Francisco). Então como sacerdotes somos enviados a servir os pobres, os prisioneiros, os doentes e aqueles que vivem isolados e tristes.

Somo enviados a evangelizar as periferias das nossas comunidades cristãs, as pequenas comunidades, por vezes pequenos núcleos, onde vivem os nossos irmãos no meio de um povo que nem sempre vive dentro ou em volta da comunidade. O óleo é sinal do nosso coração vivo, generoso, fecundo de amor para os outros.

A unção sacerdotal perfuma-nos e deve perfumar o nosso povo.

O povo gosta de ver os seus sacerdotes dedicados, alegres nas celebrações, vibrantes na explicação do Evangelho, solícitos para os vacilantes que pedem um conselho, uma palavra de conforto, misericordiosos com os pecadores, atentos às necessidades deles, compassivo e cheio de bondade como o Mestre que nos chamou à sua sequela.

A nossa vida está oferecida ao serviço da fé, muitas vezes violentada pelos maus exemplos, pelos boatos que surgem e procuram sujar a nossa pessoa ou a vida da Igreja, pela falta de dedicação e de entusiasmo pela missão que nos foi dada.

A nossa vida está oferecida ao serviço da oração e intercessão. O nosso povo gosta de ver os seu sacerdote com o Breviário na mão, a rezar o Terço, passeando dentro ou à volta da sua Igreja, sentado a meditar e a escrever as suas homilias, dobrado sobre a Bíblia, a Palavra de Deus. “Abençoai-me, Padre! Reze por mim!”.

Como Jesus que se recolhia no silêncio da noite a rezar ao Pai! Como os santos, nossos intercessores que continuam a interceder por nós!

A nossa vida é oferecida ao serviço pastoral: que abraça muito trabalho: Cursos de formação para os Ministérios, visitas às comunidades confiadas à sua generosidade, animação dos grupos de crianças, de adultos, nas comissões dos jovens, da Caritas, da Justiça e Paz, da família, catequese para os animadores dos catecúmenos, dos cristãos, celebração dos sacramentos. Repito uma frase que o papa Francisco repetiu várias vezes neste seu primeiro ano de serviço à Igreja: o sacerdote missionário deve “ cheirar do cheiro das suas ovelhas”: isto é, deve rejubilar quando os seus cristãos continuam a roubar-lhe todo o seu tempo e a sua dedicação”

O nosso povo gosta de ver o seu sacerdote que é sempre disponível, sacerdote que está consciente que a unção que o consagrou ministro do povo é uma vida que lhe foi dada para ser dada: e mais nada!

E vós queridos fieis, permanecei perto dos vossos sacerdotes com a oração e afecto para que sejam Pastores segundo o Coração de Cristo.

E o Pai infunda em nós o seu Espírito de santidade e nos revele sempre mais o rosto e o Coração de Jesus, nosso único salvador, que queremos amar e imitar.

3 de Abril de 2014

+Elio, bispo

 

Advertisement

Conselho Pastoral da Diocese de Lichinga

2 de Dezembro de 2013 § Deixe um comentário

Dia 22 e 23 de Novembro a Diocese de Lichinga reuniu-se em Cuamba, nas instalações do ESAM, para a realização do Conselho Pastoral da Diocese de Lichinga

anual. A Assembleia contou com 90 pessoas vindas de todas as paróquias da Diocese; estiveram presentes o Sr. Bispo Hélio, religiosos e leigos. Nesta Assembleia foi possível realizar a avaliação do Jubileu, a revitalização de algumas comissões, avaliação feita por algumas comissões e projetos da Diocese [PEAD, ESAM, Caritas, Comissão Económica, etc., ] e o anuncio das mudanças dos sacerdotes da Diocese. O bispo partilhou os pontos principais reflectidos na Comissão Episcopal Moçambicana.

No dia 24, dia de Cristo-Rei, celebrou-se o encerramento do Ano da Fé com a Eucaristia na Igreja de S. Miguel – Cuamba, com todos os participantes no Conselho Pastoral Diocesano e a comunidade local.

Aniversário do Bispo Hélio Greselin

2 de Dezembro de 2013 § Deixe um comentário

Dia 16 de Novembro a diocese esteve em festa pelos 75 anos de vida de D. Hélio. Na Sé Catedral foi celebrada a Eucaristia presidida pelo aniversariante estando presentes alguns sacerdotes, religiosas e leigos. De seguida, houve um jantar-convívio em que todos puderam, em conjunto, comemorar e agradecer o dom da vida. Foi um momento simbólico e de grande festa para todos os presentes.

Graças Senhor porque o chamaste à existência e lhe foste segredando o Teu Amor durante a vida através de sombras, alegrias, cruz e ressurreição.

Peregrinação ao Santuário de Matama

28 de Outubro de 2013 § Deixe um comentário

As três paróquias da cidade de Lichinga – Nzinje, Cerâmica e S. José (Sé Catedral) – subiram em peregrinação até ao monte onde está edificado o Santuário em Honra de Nossa Senhora, em Matama, recitando o rosário intercalado com cânticos, de forma original e organizada pelas paróquias.

Após a peregrinação, foi celebrada uma missa campal em Matama, animada de forma muito entusiasta por todas as paróquias, representadas por um número elevado de participantes. No final, descendo novamente o monte, houve um almoço partilhado.

A primeira peregrinação realizada a Matama, foi organizada pelo Bispo D. Luis Gonzaga, tradição que se perdeu ao longo dos anos. Assim, esta manifestação de fé teve como objectivo retomar a tradição da peregrinação, celebrando-se neste ano no final do Mês de Outubro – mês do Rosário.

Fica o propósito de continuarmos a dinamizar esta boa tradição em anos futuros.

Reunião: Universidade Católica de Moçambique

28 de Outubro de 2013 § Deixe um comentário

 

No dia 16 de Outubro, o Bispo Elio Greselin, esteve presente na II Sessão Ordinária do Conselho Universitário 2013 na Universidade Católica de Moçambique, no Centro de Formação de Nazaré na cidade da Beira. Neste trataram-se vários temas de grande importância para o futuro desta instituição.

Entrada do Bispo Luíz Lisboa na Diocese Pemba

28 de Outubro de 2013 § Deixe um comentário

No dia 14 de Setembro, em Pemba, na província de Cabo Delgado, deu entrada o Bispo Luíz Fernando Lisboa, natural de Brasil na Diocese de Pemba. A Diocese de Lichinga esteve representada pelo Bispo Elio Greselin, a irmã Maria José Silva e o irmão José Meoni. A celebração ficou na memória pela alegria, acolhimento e presença de muitos representantes da Igreja de Moçambique. Pedimos que o Senhor derrame as suas graças e bênçãos nesta grande missão que Deus lhe confiou como Bom Pastor da Diocese.

Ordenação sacerdotal de Ermelindo Lázaro e de José Rito

28 de Outubro de 2013 § Deixe um comentário

 

No dia 31 de Agosto celebrou-se na Paróquia de Santa Maria de Belém, em Mitande, a ordenação sacerdotal de Ermelindo Lázaro. No dia seguinte, 1 de Setembro, na paróquia de São Francisco de Xavier, em Mandimba, ocorreu a ordenação sacerdotal de José Rito. Nestas celebrações significativas para o futuro da diocese de Lichinga, esteve representada a equipa missionária da Diocese de Lichinga, familiares e amigos dos novos sacerdotes. Foram dias de grande animação e alegria espiritual para todos os participantes. Que o Senhor abençoe a sua vocação e permaneçam fieis na missão que lhes foi confiada.

MENSAGEM PARA O JUBILEU – 21 de Julho 2013 ( em Lichinga)

27 de Junho de 2013 § Deixe um comentário

 Caríssimos irmãos cristãos do Niassa

No dia 21 de Julho de 2013 teremos a graça de celebrar , aqui em Lichinga, o dia conclusivo do JUBILEU da Diocese (1963 –2013).

Fizemos convites aos bispos que me precederam, às autoridades do Governo, aos muitos padres e irmãs e leigos que viveram e trabalharam no Niassa durante estes 50 anos de vida. Esperamos recebê-los todos com amizade e simpatia.

 1. – Agradecimento ao Pai

 Todos nós, cristãos católicos do Niassa, somos convidados a dar GRAÇAS A DEUS nosso Pai por este acontecimento religioso e civil. 50 anos de amorosa e forte presença da Igreja nas diferentes comunidades do Niassa.

Agradecemos ao Pai porque o programa, preparado pela equipe  organizadora para os 50 anos foi cumprido. Vou lembrar:

– Peregrinação do padroeiro São José em todas as paróquias

– Os Simpósios em CUAMBA e em LICHINGA ( Dr. Brazão Mazula)

– Os encontros dos religiosos/ as em Cuamba e Lichinga sobre os 50 anos da presença evangelizadora no Niassa ( Ir. Dalmácia).

– A missão popular na cidade de CUAMBA, levada a cabo pelos missionários Passionistas de Inhambane, Xai-Xai e Tete ( padres, leigos e irmãs).

– Festival Juvenil na cidade de Cuamba( um milagre do Espírito!)

– Compra e venda de camisetes, capulanas, estolas…

 2. A Diocese mostra  ser uma Igreja adulta e responsável :

 Os bispos que me precederam ( D. Eurico, D. Luís, D. Hilário), trabalharam bem!.

Um abraço e uma bênção especial vai aos catequistas e animadores que ofereceram a sua vida pelo evangelho. Sem ele não teríamos conseguido o que hoje somos. Agora, depois de 50 anos, somos 20% da população do Niassa. Mais de 220.000 cristãos baptizados. Aleluia!!!!

O Espírito de Jesus nos acompanhou e fecundou o trabalho de padres, irmãs, leigos dedicados ao evangelho e ao serviço ao povo. 2

 3. Forte evangelização

 Agora precisamos de lançar a nossa Diocese numa “ nova e forte evangelização”.

Isto nos pede:

– Jesus nos pede uma profunda conversão a Ele como Mestre e salvador e revelador do Pai.

Jesus quer a nossa concreta e total pertença ao seu desejo de salvar a todos. DSC00542

Jesus nos pede, na linha traçada pelo Papa Francisco, de “revestirmo-nos dos sentimentos de Cristo” vivente e operante na comunidade e em cada um dos cristãos.

Jesus nos pede, de saber ler “ os sinais do tempo” no qual vivemos.

Uma Igreja animada pelo Espírito de Jesus e do Pai.

– Uma Igreja conhecedora dos Documentos do Concílio Vaticano IIº. O Catecismo da Igreja católica, Os documentos dos Sínodos dos Bispos para a África (A Igreja em África e O compromisso da África).

Uma Igreja que entra decididamente na vida social, política, educacional, no presente e no futuro, do povo.

 4. Estamos conscientes que devemos enfrentar problemas novos:

A animação vocacional nos nossos filhos e nos jovens das comunidades

Atenção ao grosso fenómeno da imigração no Niassa. Sempre novos irmãos chegam de outras terras de Moçambique e querem ser acolhidos . Abramos o nosso coração e as nossas comunidades cristãs.

A formação dos nossos jovens: são atraídos pelo ganho-ganho, pela riqueza fácil, fogem da família e da comunidade para a cidade, são estrelas vagantes no universo comunitário. Desaparecem! Assim como os que vivem mais atrás dos mercadinhos semanais zonais, do que na família e na comunidade cristã. Eles já não são fermento de fé e de evangelização nas comunidades.

Potenciar com vigor a Universidade Católica: para oferecer espaço aos nossos filhos e filhas.

Uma nova forma apostólica de “formação” : seria urgente a criação de pelo menos dois Centros de formação teológica e pastoral para leigos (Cuamba e Lichinga).

 Os nossos irmãos Anglicanos são muitíssimo interessados a este tipo de colaboração. Vamos ver de apoiar este espírito ecuménico e de diálogo. Aos caríssimos padres diocesanos e religiosos, licenciados e laureados, um quente e forte apelo para que se juntem e se empenhem na abertura da Diocese à formação.

 FORMAÇÃO a todos os níveis: Escolas comunitárias ( PEAD), ESAM Ensino Secundário Aberto Moçambicano ( ESAM) e Escolinhas ( para os nossos filhos pequenos.

– Cada paróquia seja um Centro de formação permanente dos.ministérios.

Eu sei que o Ano Jubilar abre muitas portas.

Precisamos entrar com coragem e dedicação.

Antes de mais nada faço apelo aos padres diocesanos e religiosos: cada paróquia se torne irradiação de evangelização e centro concreto de formação de todos os ministérios necessários para a vida das comunidades.

Não será um problema de dinheiro mas de boa vontade e de ajuda recíproca entre todos! Não tenhamos medo de ensinar e formar cristãos adultos na fé.

Este seria o máximo fruto do Jubileu.

Lichinga, 4 de Junho de 2013

+Elio Greselin

Bispo de Lichinga

Simpósio: A Evangelização do Niassa

26 de Junho de 2013 § Deixe um comentário

No âmbito da vivência do Ano Jubilar dos 50 anos de existência da Diocese de Lichinga, realizou-se nos dias 19 de Maio em Cuamba e 25 de Maio em Lichinga, o simpósio sob o tema: A Evangelização do Niassa.

Este foi orientado pelo Pr. Dr. Brasão Mazula e algumas testemunhas que viram nascer e crescer esta Diocese.

Tanto em Cuamba como em Lichinga o simpósio decorreu no período da manhã com início às 08:30h e término às 13h30.

E Cuamba, estiveram presentes animadores das comunidades, missionários e os demais fiéis para escutar o Prof. Dr. Brazão Mazula bem como o testemunho e as memórias da dona Ana.

No simpósio de Lichinga foi entusiasmante escutar a viva a voz os testemunhos das diversas experiências, por eles vividas durante muitos anos. D. Elio, scj; bispo de Lichinga, iniciou o simpósio com a oração de abertura e as palavras introdutórias de boas vindas a todos os membros participantes vindos de todas as paróquias da zona norte da Diocese.

O Pr. Dr. Brazão Mazula, referiu que a existência da Diocese de Lichinga é fruto do testemunho da presença e da acção dos primeiros missionários da Consolata. Ele afirmou:

“Dar testemunho dos 50 anos da Diocese do Niassa é testemunhar o crescimento da sua idade (dimensão físico-temporal), o crescimento da sua estatura (dimensão sócio-cultural e teológica), o crescimento da sua sabedoria ou bom senso, analisada e avaliada através da sua postura com o processo de libertação e de desenvolvimento do povo moçambicano (dimensão pastoral activa)”.

Por fim, Mazula apelou às gerações mais jovens que o futuro desta Igreja e da sociedade depende deles e, por isso, cumpre-lhes o dever de testemunhar o crescimento sólido de Moçambique, no amor a Deus e na fé em Cristo, e, só assim, se consolida a Paz.

Igualmente três Sacerdotes da diocese, nomeadamente: Monsenhor Miqueias, Pe. Salvador Fornis e Pe. José Neves partilharam as suas experiências vividas na sua missão como sacerdotes. Também deram o seu testemunho os seguintes leigos: sr. Estêvão Jasso, o sr. Paulo Amós, Dona Maria Ofecce e o sr. Bernardo Luís.

Nas considerações finais Dom Elio falou da situação actual do Niassa e da Diocese de Lichinga.

Em breves palavras apresentou o historial desta diocese, destacando os bispos que por aqui trabalharam, nomeadamente D. Eurico Dias de Nogueira; primeiro bispo de Lichinga, o D. Luís Gonzaga e D. Hilário, sem descorar a grande missão que desemprenharam, a seu modo, ao longo dos anos que serviram a diocese. Salientou que o seu sonho é de que as paróquias sejam autónomas em todos os sentidos, qua haja uma formação sólida dos ministérios nas comunidades; sublinhou que este deve ser sempre o centro da nossa atenção. Dom Elio manifestou o desejo de criar uma escola de formação teológica para leigos, apostar na formação da mulher por ser, a mulher o futuro da Igreja e da sociedade.

Este simpósio, foi sem dúvida, um enriquecimento para os participantes. Um estímulo a sermos verdadeiros evangelizadores e continuadores da missão nesta diocese de Lichinga.

Procissão do Corpo de Deus

25 de Junho de 2013 § Deixe um comentário

A Sé Catedral recuperou uma tradição antiga, percorrendo algumas ruas da cidade pertencente à Sé Catedral com dezenas de cristãos que manifestaram a sua fé, louvando e agradecendo a presença de Jesus na festa do Corpo de Deus.DSC00330 DSC00331